quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Amor à Nelson Rodrigues


O torturador

“ 'Essas guerrilheiras são todas umas vacas!', advertiu-me o general. No entanto, tirei-a do pau-de-arara e amei-a ali mesmo. Há doçura na tortura."

O gozo
“Entre tuas pernas, a certa altura, não sei se entro ou rebento", berrou o infeliz.

Por Teresinha Brandão

2 comentários:

Anônimo disse...

Não é a toa que entre o carrasco e a vítima se cria uma história de amor.
Assim se pactuam determinados matrimônios, cuja história de crueldade se repete, mas o inesperado surge quando se amam. Por culpa, fazem o melhor de tudo, mas pela mesma culpa, seguem se maltratando.
O sentimento de culpa forma seres: desde o infeliz até o criminoso!

Tear de Sentidos I e II disse...

Olá! Bem-vindo ao Tear!

É...amor, ódio, culpa eram temas recorrentes na obra de Nelson Rodrigues.

Nas micronarrativas que criei a intertextualidade é evidente.

Além disso, são frequentes esses/ e outros "dramas" muito semelhantes a essa "mescla" de tais sentimentos a muitos casais.

Não me sinto bem julgando se essa forma de relacionamento é sadia ou não, a melhor ou a pior ou não. Apenas retratei "uma" das muitas formas desses sentimentos se mesclarem.

Grat@s pela visita! Volte quando quiser!