terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Ninguém segura essas mulheres: transgressão, arte e vida

Na parte de cima, da esquerda à direita: Anaïs Nin, Frida Kahlo, Isadora Duncan; na de baixo, na mesma direção: Maria Teresa Horta, Lou Andreas-Salomé; e Florbela Espanca. Destacaram-se mundialmente na literatura, na pintura e na dança.

O que teriam em comum? Creio que a transgressão a todo e qualquer tipo de poder, bem como a paixão pela vida (ainda que na biografia de Florbela conste o suicídio) e a coragem para enfrentar preconceitos, mudando comportamentos e hábitos já viciados pela reprodução de valores conformistas. Elas são um tipo de mulheres especial: "Qualquer maneira de amor [a tudo que desperte vida] vale a pena!", aliás, são fruto da minha profunda admiração, que me perco de um lado e de outro, ... que "me perco": que fazer? Que rumos tomar quando a coragem não vem...? Simples assim: ao menos as aplaudo - o que não quer dizer muito! - e divulgo essa ousadia.

Aos poucos, vou postar episódios sobre sua biografia e pequenos trechos das suas obras e poesias. Como estou lendo sobre os clássicos do que se convencionou chamar  literatura erótica - há tantas divergências sobre o termo! - , postarei um poema da poeta lusitana Maria Teresa Horta que, mesmo no período pós-salazarista, após a Revolução dos Cravos e sucessivos governos provisórios, sofreu processo judicial pela publicação de Novas cartas portuguesas*, um livro ousado, refinado, com escrita elegante, mas, por óbvio, transgressor a uma sociedade ainda abalada por muitos anos de rígida ditadura salazarista. Somente artistas, intelectuais e alguns poucos políticos a apoiaram, saindo em protesto a essa censura nas ruas de um Portugal em muito conservador. Para que possam saber mais a respeito de Maria Teresa Horta, cliquem aqui

* Escreveu a obra em conjunto com duas outras autoras: Maria Isabel Barreno Maria Velho da Costa. 

Publicarei, além disso, alguns posts com breves passagens com reflexões de Frida Kahlo, Lou Salomé, Isadora Duncan e Anaïs Nin. Sobre Florbela, busquem no índice do blog  o que até agora foi postado. Quanto aos comentários sobre Pequenos Pássaros, de Anaïs Nin, peço-lhes que aguardem mais uns dias, ok? Beijinhos!!!!! Tê! Boa noite!

Nenhum comentário: